Home / Curiosidades / Os sapatos que fizeram história no cinema

Os sapatos que fizeram história no cinema

 

Muito mais do que acessórios básicos do dia a dia ou peças de moda, os sapatos estão relacionados a inúmeros sentimentos.

 

Na história do cinema, muitas vezes tiveram destaque como parte da fantasia. Alguns modelos exibidos nas telonas ao longo das últimas décadas ganharam tanto espaço no imaginário coletivo que se tornaram verdadeiros ícones da cultura pop.

 

Talvez o mais famoso dos sapatos da literatura e do cinema seja aquele que mudou a vida de Cinderela.

 

O sapatinho de cristal perdido por ela no baile do reino foi a única pista deixada para que o príncipe encantado pudesse reencontrá-la. Ao ser reconhecida por ele como sua verdadeira dona pôde deixar a dureza do borralho imposto por sua cruel madrasta para se tornar princesa.

 

Cinderela

 

 

Cinderela e seu sapatinho de cristal no clássico desenho de Walt Disney, de 1950

 

 

 

cinderella movie shoes tutorial

 

 

Os sapatos de cristal no filme de 2015

 

 

 

Os sapatinhos mágicos de rubi de Dorothy Gale (Judy Garland), dados a ela pela Bruxa Boa do Norte, a levaram a inúmeras aventuras em O Mágico de Oz (The Wizard of Oz, 1939).

 

A Bruxa Má do Leste bem que tentou roubá-los, mas sem sucesso. Ao final de sua jornada em uma terra fantástica, voltou em segurança para a fazenda de seus tios, no Kansas, batendo os sapatinhos por três vezes. There´s no place like home…

 

tijolos amarelos

 

Dorothy seguindo pela estrada de tijolos amarelos com seus sapatinhos mágicos

 

 

 

 

 

Em Sabrina (Sabrina, 1954), a sempre elegante Audrey Hepburn calçava scarpins de bico fino, com saltos de no máximo 4 centímetros de altura.

 

O modelo tornou-se moda e passou a ser chamado de Sabrina em referência a sua personagem no filme.

 

Sabrina

 

 

 

Audrey Hepburn e o sapato que ganhou o nome de sua personagem Sabrina

 

 

 

 

 

Na cena mais famosa de O Pecado Mora ao Lado (The Seven Year Itch, 1955), o vestido da sensual personagem de Marilyn Monroe, uma jovem modelo cujo nome nunca é citado, é levantado pelo jato do respiradouro do metrô na calçada.

 

Esta sequência, ousada para a época, marcou a história do cinema. E também da moda, já que Monroe estava usando um par de sandálias brancas feitas com exclusividade pelo designer italiano Salvatore Ferragamo.

 

Marilyn Monroe sandalia

 

 

 

Marilyn Monroe e a sandália de Ferragamo. Alguém prestou atenção nisso?

 

 

 

 

Para a Bela da Tarde (La Belle de Jour, 1967), o designer Roger Vivier criou sapatos exclusivos para a personagem Séverine, de Catherine Deneuve.

 

O modelo Pilgrim, preto, de salto médio, com fivela quadrada, fez grande sucesso entre as mulheres. Com o tempo, tornou-se um clássico da moda e até hoje é produzido da mesma maneira.

 

A Bela da Tarde

 

 

 

A elegância de Séverine, com o sapato criado por Roger Vivier, em A Bela da Tarde

 

 

 

 

O tênis utilizado por Marty McFly (Michael J. Fox) em De Volta para o Futuro 2 (Back to The Future, 1985), também marcou época.

 

O modelo futurista, Air Mag, criado pela Nike para o filme, amarrava os cadarços automaticamente aos serem calçados. O tempo passou, o futuro chegou e continuamos amarrando nossos cadarços por conta própria. Mas, ainda continuamos sonhando com invenções futuristas fantásticas.

 

Marty McFly tênis

 

 

O incrível Nike Air Mag, de Marty McFly

 

 

 

 

Em Forrest Gump (Forrest Gump, 1994), o personagem que dá nome ao filme, vivido por Tom Hanks, cruzou os Estados Unidos em uma inusitada maratona.

 

Nesta jornada, usa um par do clássico Nike Cortez. O modelo, um dos mais antigos da marca, foi relançado em 2015.

 

Forrest Gump

 

 

 

Run Forrest, run!!

 

 

 

 

Em Kill Bill (Kill Bill, 2003), Beatrix Kiddo (Uma Thurman) tem sede de vingança. Ela deseja matar Bill a qualquer custo.

 

Em sua missão assassina, ela usa um confortável Tai Chi, modelo de tênis amarelo com faixas pretas, da Onitsuka Tiger, da Asics. Em comemoração aos dez anos do filme, foi relançado em edição especial, em 2013.

 

Kill Bill

 

 

 

The Bride escolheu um confortável tênis amarelo para cumprir sua vingança

 

 

 

 

 

Sobre Ana Bernardinelli

Quem sou eu? Pergunta difícil, até porque ainda não encontrei a resposta. Mas, uma certeza é que desde muito cedo soube que queria escrever. Sobre tudo. Dos tempos em que brincava de “fazer jornal”, com o meu fictício “O Linguarudo”, até meus textos adolescentes em “Penúltima Palavra – porque a última é sempre da diretora”, o periódico da escola, fui confirmando meu desejo. Ainda cursando Jornalismo na Faculdade de Comunicação Social Cásper Líbero, no coração da sempre incrível Av. Paulista, comecei a trabalhar na área. Já formada, passei por emissoras de rádio FM e AM. Também trabalhei em revistas – de automóveis, brinquedos e variedades, além de prestar serviços para empresas e entidades de classe com textos corporativos. Nos últimos anos, fui repórter do mais importante semanário da Zona Norte de São Paulo. Apaixonada por história da arte, cultura pop, música, cinema e literatura, tenho ainda um grande vício. Sim, confesso: sou sapatólatra. Em estágio avançado. E sem esperanças de cura. Simplesmente não resisto ao desejo de buscar novidades e curiosidades sobre este objeto que ultrapassa sua definição e se mistura com tantas emoções. Porque por trás de um belo par de sapatos, há sempre uma grande história. Aqui, no entanto, está a minha terapia! Vocês agora são meus convidados para esta aventura fashion! Ana Bernardinelli

Veja também...

Não basta ser estampado… tem que ser bordado!!

  Para quem gosta de sapatos que fogem do óbvio, com detalhes especiais, esta temporada …

Deixe uma resposta

Conecte-se com:



O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *