Home / Dicas / Boot cuff ou meia polaina – um charme com botas de diferentes estilos.

Boot cuff ou meia polaina – um charme com botas de diferentes estilos.

 

A boot cuff, também conhecida como meia polaina, ajuda a aquecer e ainda renova o visual das botas básicas, de tons neutros.

 

boot cuff 3

 

 

 

Boot cuffs combinam com botas de cano longo ou curto. 

 

 

 

 

A temporada de outono/inverno está só começando… Então, por que não começar a apostar nos acessórios típicos desta época do ano?

Uma ideia é incrementar as tradicionais botas com um charmoso detalhe – a boot cuff, também chamada de meia polaina.

Já falei dela aqui há algum tempo… mas é uma dica tão legal que vale a pena relembrar!!

 

boot-cuff-2-2-750

Boot cuff – um detalhe simples que faz toda a diferença.

 

Em tricô ou crochê, as boot cuffs podem ser usadas com botas de canos longos ou curtos.

 

Em cores e texturas variadas, com detalhes como laços ou pompons, ajudam a aquecer transformando um visual tradicional em algo diferenciado.

Boot cuffs podem mudar a daquela bota comum, de cor básica, de maneira muito simples.

 

Boot cuff 1

Em tricô ou crochê, boot cuffs contam com detalhes dos mais variados. 

 

Os preços das boot cuffs podem variar bastante, dependendo do material utilizado, da complexidade do trabalho e do valor da mão de obra.

 

Os modelos industrializados são mais baratos, custando em torno de R$ 15 a R$ 30, o par. As versões artesanais, em geral mais bonitas, podem custar de de R$ 25 a R$ 120 o par.

Em tempos de crise econômica, empreender em algo novo pode ser um bom negócio. E por que não prestigiar o pequeno produtor?

Quem sabe a bela arte do tricô e do crochê também pode criar suas próprias boot cuffs de forma exclusiva.

 

boot-cuffs-7

 

 

 

 

Para se inspirar.

 

 

 

 

 

 

 

O que vale é a criatividade.

 

 

 

 

 

 

E o bom gosto.

 

 

 

 

 

 

Dá para ter várias!! Uma de cada modelo!

 

 

 

Sobre Ana Bernardinelli

Quem sou eu? Pergunta difícil, até porque ainda não encontrei a resposta. Mas, uma certeza é que desde muito cedo soube que queria escrever. Sobre tudo. Dos tempos em que brincava de “fazer jornal”, com o meu fictício “O Linguarudo”, até meus textos adolescentes em “Penúltima Palavra – porque a última é sempre da diretora”, o periódico da escola, fui confirmando meu desejo. Ainda cursando Jornalismo na Faculdade de Comunicação Social Cásper Líbero, no coração da sempre incrível Av. Paulista, comecei a trabalhar na área. Já formada, passei por emissoras de rádio FM e AM. Também trabalhei em revistas – de automóveis, brinquedos e variedades, além de prestar serviços para empresas e entidades de classe com textos corporativos. Nos últimos anos, fui repórter do mais importante semanário da Zona Norte de São Paulo. Apaixonada por história da arte, cultura pop, música, cinema e literatura, tenho ainda um grande vício. Sim, confesso: sou sapatólatra. Em estágio avançado. E sem esperanças de cura. Simplesmente não resisto ao desejo de buscar novidades e curiosidades sobre este objeto que ultrapassa sua definição e se mistura com tantas emoções. Porque por trás de um belo par de sapatos, há sempre uma grande história. Aqui, no entanto, está a minha terapia! Vocês agora são meus convidados para esta aventura fashion! Ana Bernardinelli

Veja também...

Não basta ser estampado… tem que ser bordado!!

  Para quem gosta de sapatos que fogem do óbvio, com detalhes especiais, esta temporada …

Deixe uma resposta

Conecte-se com:



O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *