Home / Dicas / Alguns cuidados podem salvar um sapato, mesmo encharcado de chuva

Alguns cuidados podem salvar um sapato, mesmo encharcado de chuva

Há sapatos tão queridos que deveriam ser eternos. Mas, nem sempre estes adoráveis companheiros sobrevivem às intempéries do dia a dia.

Muitas vezes, alguns cuidados simples podem prolongar a vida útil dos calçados. Em casos extremos, como quando ficam encharcados em um dia de chuva, podem salvar um sapato da perda total.

– Sempre que tirar os sapatos, deixe-os tomando ar por pelo menos 12 horas antes de guardá-los.

– Antes coloca-los no armário, limpe-os com uma escova na sola e um pano úmido na parte superior. Em seguida, passe um pano seco.

– Para que não fiquem expostos à poeira e à umidade, sapatos e sandálias pouco usados devem ser guardados em sacos porosos ou nas próprias caixas.

– Botas longas de couro devem ser guardadas com o cano apoiado em algum suporte (papelão, revistas enroladas ou mesmo garrafinhas pet bem limpas) para que não fiquem marcadas.

Para tirar o mau cheiro dos calçados, coloque dentro deles uma meia cheia de carvão quebrado em pequenos pedaços. Deixe-a por um dia dentro deles. Repita o processo uma vez por semana.

 – Quando um sapato fica encharcado da chuva, não deve ser deixado diretamente no sol para que seque. Também não deve ser colocado em secadoras. Isso faz com que o couro seque muito rápido e rache. O ideal é tirar o excesso de água com jornal, pressionando o papel por dentro do calçado, que em seguida deixa-lo secar ao natural, em ambiente bem arejado e iluminado. Mas, cuidado: o jornal não deve ser deixado dentro dos sapatos molhados, já que podem soltar tinta e manchar o couro.

Então, se a vontade for de cantar na chuva, não perca o momento. Sapatos encharcados podem ter solução.

Sobre Ana Bernardinelli

Quem sou eu? Pergunta difícil, até porque ainda não encontrei a resposta. Mas, uma certeza é que desde muito cedo soube que queria escrever. Sobre tudo. Dos tempos em que brincava de “fazer jornal”, com o meu fictício “O Linguarudo”, até meus textos adolescentes em “Penúltima Palavra – porque a última é sempre da diretora”, o periódico da escola, fui confirmando meu desejo. Ainda cursando Jornalismo na Faculdade de Comunicação Social Cásper Líbero, no coração da sempre incrível Av. Paulista, comecei a trabalhar na área. Já formada, passei por emissoras de rádio FM e AM. Também trabalhei em revistas – de automóveis, brinquedos e variedades, além de prestar serviços para empresas e entidades de classe com textos corporativos. Nos últimos anos, fui repórter do mais importante semanário da Zona Norte de São Paulo. Apaixonada por história da arte, cultura pop, música, cinema e literatura, tenho ainda um grande vício. Sim, confesso: sou sapatólatra. Em estágio avançado. E sem esperanças de cura. Simplesmente não resisto ao desejo de buscar novidades e curiosidades sobre este objeto que ultrapassa sua definição e se mistura com tantas emoções. Porque por trás de um belo par de sapatos, há sempre uma grande história. Aqui, no entanto, está a minha terapia! Vocês agora são meus convidados para esta aventura fashion! Ana Bernardinelli

Veja também...

Beleza não é tudo. Quando se trata de sapatos, conforto é fundamental

Sim, conforto é fundamental.   Mas, quem nunca se deixou seduzir pela beleza de um …

Deixe uma resposta

Conecte-se com:



O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *